Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Talvez Outro Dia

Talvez Outro Dia

Seg | 30.12.19

30 coisas a fazer antes dos 30

RitaMonteiro

Hello pessoal! Como estão todos? De barriguinha cheia depois desta época natalícia?

Com as resoluções de ano novo, e com os meus 25 aninhos bem fresquinhos acabadinhos de fazer (parabéns a mim), aqui publico (para matar a vossa curiosidade) uma lista das 30 coisas que eu adorava completar até ter 30 anos (daqui a 5 aninhos portanto), será "fazível"?

Vamos lá ver então essa lista, vou riscar o que já realizei e vamos lá trabalhar para que todos os sonhos e objectivos que ainda não se realizaram se realizem, sim? 

1- Ter um animal de estimação
2- Tirar carta de condução (tirei a carta a 19 de Agosto de 2013, parece que foi ontem) 
3- Furar as orelhas
4- Viajar sozinha para o estrangeiro (cumpri este objectivo com a minha última viagem, pelo País de Gales - Dezembro 2019)
5- Fazer uma Road Trip
6- Fazer uma road trip sozinha (no verão de 2019 nã tinha companhia, então peguei no meu carro e fui conhecer a Serra da Lousã e fazer um roteiro pelas praias fluviais e aldeias históricas de toda a região Centro e Beiras. Da Serra da Lousã fui para a Serra do Açor, e depois ainda dei um saltinho à Serra da Estrela. Foi das melhores experiências da minha vida.)
7- Acampar na praia (no verão de 2017 fui com duas amigas acampar para uma praia que, na altura, ainda era deserta, em Sesimbra. A praia chama-se Ribeira de Cavalo, e foi lá que pernoitamos na nossas tendas, sem rede móvel, só nós as três, o céu estrelado e o mar.)
8- Licenciar-me em Direito (acabei o meu curso em 2018)
9- Fazer um cruzeiro
10- Fazer um safari em África
11- Fazer voluntariado em África ou na América do sul
12- Fazer uma tatuagem (este também foi um desejo que realizei este ano de 2019, em Março lá ganhei coragem e tatuei o mapa mundo nas costas.)
13- Ser bem sucedida no meu emprego
14- Visitar as Ilhas Gregas
15- Sair de casa dos pais, ter a minha casinha, o meu espaço. (fui morar sozinha em Setembro 2018)
16- Manter as amizades do secundário, que para mim foi quando fiz os meus “amigos para a vida”. E estes são para ser antes dos 30 e depois dos 30 se faz favor :p
17- Casar (sim, pessoal, eu adorava casar antes dos 30, mas sei que isso já esteve mais perto de acontecer do que está neste momento.)
18- Ser mãe
19- Andar de camelo no Sahara (quem me acompanha sabe que sempre disse que queria andar de camelo, e apesar de já ter estado várias vezes em destinos onde havia camelos para esse fim, eu sempre disse que para andar de camelo tinha de ser em Marrocos! Então em Outubro deste ano fui de viagem a Casablanca e a Marraquexe com uma amiga, e fomos então andar de camelo no deserto do Sahara, onde pernoitámos uma noite e foi das melhores experiências e das melhores viagens da minha vida)
20- Andar de Balão na Capadócia
21- Fazer mergulho
22- Subir a Serra da Estrela a pé (já que sou praticante de Hiking e Trekking, adorava fazer os trilhos da serra da estrela)
23- Comprar/construir uma casa
24- Aprender a meditar
25- Aprender a Esquiar
26- Aprender primeiros socorros
27- Aprender a ter mais calma
28- Ser mais confiante
29- Conhecer, pelo menos 20 países (só faltam 5 países, em 5 anos acho que não vai ser difícil)
30- Conhecer, pelo menos, 50 cidades este está cumprido pois já conheço 56 cidades, mas vou continuar a visitar mais e mais e mais... quantas cidades acham que vou conhecer quando tiver 30? comentem o post para ver os vossos palpites :p

 

Como estão a ver há aqui muito trabalho para fazer nestes 5 anos que me restam até aos 30! Mas estou mega entusiasmada e fico muito feliz de sentir que há sonhos que já realizei e objectivos que já cumpri.

Sou muito agrecida às pessoas que me acompanham no dia-a-dia, à família que tenho, aos ensinamentos que me deram, aos amigos que estão comigo há anos e às pessoas surpreendentes que vou tendo o prazer de conhecer nos sítios por onde passo, por onde trabalho, por onde saio, por onde viajo. Cada vez me apercebo mais que na vida, tal como nas viagens, não importa o destino, não importa chegar mais depressa ou mais devagar, o que importa é o que aprendemos no caminho, as pessoas que conhecemos e que nos ensinam coisas e às quais nós também ensinamos coisas. o que importa são as pessoas que mudam a nossa vida e sabermos que também nós próprios podemos mudar ou, pelo menos, melhorar a vida de alguém.
"A viagem não é o destino, é o caminho" é das coisas mais certas que tenho vindo a aprender. 

 

Sejam felizes 

RitaMonteiro

 

 

 

 

Sex | 27.12.19

Ilhas Canárias ou Ilhas Baleares? uma questão de gosto

RitaMonteiro

280300_260070834007374_7423986_o.jpg
Palma de Maiorca. Ilhas Baleares

Hello peeeepzzz, como estão?

Hoje venho responder a uma das perguntas que mais me fazem... sou muitas vezes abordadas sobre quais as melhores, as ilhas baleares, ou as ilhas canárias.

Como sabem, são ambas ilhas espanholas.


As Ilhas Canárias situam-se ao largo da costa noroeste da África (ao lado de Marrocos),  no Atlântico, e são ilhas vulcânicas, portanto a probabilidade de terem areia preta é muito grande.

78681698_422106718677032_1975511950582349824_n.jpg
Las Palmas, Gran Canária. Ilhas Canárias

Eu estive em Las Palmas, na Gran Canária, e a areia era mesmo escura, o que depois também influencia o mar e não dá nada aquela ideia de praia paradisíaca... Reparem bem nos meus chinelos ahahahah

78953211_475505996278427_4415308405573419008_n.jpg

Mas isso foi a minha experiência em Las Palmas, pois as Canárias são conhecidas por terem também praias de areia branca, tal como Tenerife. 


As Ilhas Baleares situam-se perto da costa leste da Espanha, no Mediterrâneo. 

1915572_101259113221881_4116475_n.jpg
Palma de Maiorca. Ilhas Baleares


Estando ambos os arquipélagos em oceanos diferentes, já podem imaginar que a água também é diferente... Eu achei a água em Palma de Maiorca, que foi onde fiz férias nas Baleares, muito mais quente que nas Canárias. E o mar mais azul, dá mais a ideia de destino paradisíaco. 

A nível de atrações históricas, catedrais e monumentos estão ambas bastante equiparadas. Aconselho tirarem um dia para conhecerem o centro da cidade. As ilhas Canárias podem ser mais apelativas pois são consideradas paraíso fiscal, pois eles não têm IVA de imposto, o que faz com que muitas coisas sejam bastante mais baratas lá, tal como o tabaco que se compra a menos 2 ou 3€ por maço do que em Portugal. Las Palmas é uma excelente cidade para compras. 

Então, assim sendo, tendo em conta a minha humilde experiência, eu acho que isto é realmente uma questão de gosto... Mas acredito que se quiserem águas clarinhas e areia branca então devem escolher as Ilhas Baleares.

 

RitaMonteiro 

 

 

Seg | 23.12.19

Delícia de Chocolate

RitaMonteiro

527DF958-CCC4-43CC-8B90-2392CA6EBF7D.jpeg

INGREDIENTES:

- 6 ovos 
- 150gr de margarina/manteiga
- 250gr de chocolate para culinária

- 50gr de farinha

 

PREPARAÇÃO:

1. Comece pelos ovos e separe as gemas das claras de modo a ficarem em recipientes diferentes. 
2. Bata as claras em castelo com o auxílio da batedora. Reserve.
3. Às gemas dos ovos junte o açúcar e bata muito bem. 
4. Derreta o chocolate juntamente com a manteiga/margarina em banho maria para não cozer.  Assim que estiver bem derretido apague o lume. 
5. Junte o chocolate derretido às gemas dos ovos, devagar e mexendo sempre.
6. Quando estiver bem misturado junte a farinha. Mexa bem. 
7. Misture este último preparado com as claras em castelo e envolva cuidadosamente. 

Levar ao forno pré-aquecido nos 180º por aproximqamente 15 minutos (este tempo varia de forno para forno). Este é um bolo que fica bastante húmido por dentro, é suposto ficar quase como uma mousse de chocolate (na verdade a receita é práticamente igual á mousse), portanto é importante ir vigiando enquanto ele está no forno, pois se ficar demasiado cozido perde toda a piada. 

Comentem se gostarem da receita e publiquem as vossas fotos :)

RitaMonteiro

Sab | 21.12.19

Risotto de Alheira e Bacon

RitaMonteiro

2DCCFD19-F550-422A-9C15-3022B641CE67.jpegINGREDIENTES (2 a 3 pessoas):
- 300/400gr Arroz tipo Risoto

- Azeite
- 2 dentes de Alho
- 1 Cebola 
- 1 Caldo de Legumes 
- Água
- 1/2 pacote de Chouriço aos cubos
- 1 pacote de Bacon em tiras finas
- 1 Alheira de caça ou seleção
- Pimenta e sal

- 1/2 caneca de Vinho Branco
- 1 colher de sopa de Manteiga
- 100gr Queijo Mozzarela

PREPARAÇÃO:

1. Numa frigideira leve ao lume um fio de azeite, quando estiver quente junte a alheira sem pele, o bacon e o chouriço em cubos. Deixe fritar misturando bem todos os ingredientes. Reserve.
2. Num tacho leve ao lume o azeite necessário para o refogado, cebola bem picadinha, o alho e deixe refogar, sempre mexendo, em lume médio baixo.
3. Adicione o arroz e mexa bem. 
4. Adicione a meia caneca de vinho branco. Mexa e deixe o vinho evaporar.
5. Vá adicionando aos poucos o caldo de legumes já dissolvido em água quente/escaldada como manda na embalagem do próprio produto. Adicione concha a concha e vá mexendo o arroz até a água evaporar, pois o arroz tem de soltar o seu amido. Repita o processo até acabar o caldo de legumes.
6. Se acabar o caldo e ainda assim o arroz não estiver cozinhado, adicionar água pouco a pouco até evaporar e até o arroz estar totalmente cozinhado.
7. Adicionar a alheira frita com os restantes ingredientes reservados anteriormente. Mexer bem para misturar com o arroz. 
8. Quando o arroz estiver cozido adicione uma colher de manteiga/margarina e mexa bem.
9. Adicione um pouco de sal (tendo em conta que o caldo já está salgado) e pimenta a gosto. Mexa bem e retifique os temperos.

10. Retire do lume e adicione a Mozzarela, mexa bem para ficar cremoso.

Servir de seguida com pimenta e Mozzarela por cima.
Acompanha com vinho branco ou tinto.
Nós cá por casa acompanhámos com um belo vinho, dos meus preferidos para o dia a dia, devo dizer:
FIUZA 3 CASTAS TINTO
um vinho regional Tejo
Castas: Cabernet Sauvignon, Syrah e Touriga Nacional
frutado e aromático
custo aprox: 4.85€
com uma excelente relação qualidade/preço, este vinho encontra-se imensa vez em promoção no Continente.

RitaMonteiro

Seg | 16.12.19

de quem não se permite sofrer (por muito tempo)

RitaMonteiro

48ACE232-1E79-4629-B7F5-6EEC11BB3603.jpeg

No primeiro dia a tua pulsação aumenta, o teu coração parece que vai saltar do peito.

Ficas mal disposta, enjoada, não consegues comer, ficas fraca.

Não vais conseguir dormir porque a tua cabeça vai estar a mil à hora na almofada.

Tu realmente consegues passar três a quatro dias sem te alimentares porque tudo o que ingeres, vomitas.

As tuas pernas ficam bambas e sem força. A tua vontade é ficar na cama até que estas sensações vão simplesmente embora. Não queres ver ninguém, não queres falar com ninguém, não queres sair para lado nenhum. Só queres definhar até que tudo passe pelo teu corpo e vá embora.

Sabes que lidas mal com o sentimento de perda. Conheces o teu corpo e sabes que te sentes assim sempre que não tens aquela mensagem de bom dia e a outra de boa noite, sempre que o destino muda o guião da história e tens de acordar um dia com tudo ao contrário do que eras e do que fazias.

Mas também sabes que não te deixas sofrer por muito tempo. Cais na cama, sofres, não comes, não dormes, não vives mas sobrevives, mas sabes que não te permites definhar assim tanto tempo. O primeiro dia vai ser mau, o segundo não vai ser melhor e nem o terceiro ou o quarto. Vais adormecer umas noites a chorar, sozinha e sem que ninguém se aperceba, porque é assim que queres que seja.

Mas ao final de uma semana, depois daquela noite em que choras tudo, que te magoas para ter a certeza que tudo aconteceu e não foi só um sonho mau, que revês as conversas e que voltas a ouvir aquela música que te traz tantas lembranças, tu acordas com uma energia fora do comum, a ver a vida de outra maneira, a querer mais, e com a consciência de que o teu sorriso é lindo demais para estar preso num quarto.

É neste dia que tudo muda. Tu acordas bem, acordas como a pessoa que sempre foste, ou melhor. Porque tudo serve de ensinamento, tudo serve de aprendizagem e experiência. O que aconteceu foi bom, mas não vai voltar, o que se passou não vai voltar mas tu consegues sempre tirar ilações positivas disso e seguir, simplesmente, seguir em frente.

Nessa manhã que tu acordas e sais de casa decidida a estar bem e a seres a pessoa que eras, tu não estás só bem, tu estás muito melhor do que sempre foste.

Sim, meus amores, o tempo cura mesmo tudo. 

RitaMonteiro

Qua | 11.12.19

O fim da viagem

RitaMonteiro

 

B9D086AC-34A2-48E9-8C61-751ED755E1C2.jpeg

8 de Dezembro 2019, Londres, UK 

Parece que está a chegar ao fim esta aventura.
Muita coisa aconteceu, muitas aventuras, muitas horas de transportes, algumas boleias, muitas libras gastas, camas em hostel, noodles e barritas de cereais, comidas que eu dizia que não gostava e fome (também faz parte), muitas pessoas fantásticas e momentos a recordar. 

Depois de andar a fazer compras por Cardiff, trilhos nas Montanhas de Brecon Beacons e a passear por Londres, volto agora para casa com mais dois países e duas cidades visitadas, e o coração cheio mas tão apertadinho porque já terminaram estes 9 dias tão fantásticos. Viajar sozinha foi das coisas que tive mais receio de fazer, mas a minha vontade e loucura incontroláveis não me deixaram passar por esta vida sem experimentar. Então peguei na mochila e simplesmente fui, e acreditem que é das coisas mais emocionantes e extasiantes que já fiz! Quando viajamos sozinhos vivemos tudo muito mais à flor da pele, não há com quem dividir os problemas que aparecem nem a resolução dos mesmos, não há a quem perguntar “achas que fazemos assim?”, “Achas que assim chegamos lá?”, “Achas que este comboio vai para onde queremos?”, “Como achas melhor?”, “O que achas disto?” , e acreditem que dá um medo terrível! Sozinhos também falamos muito mais com outras pessoas (turistas ou não turistas) que vamos conhecendo ao longo do caminho e que fazem também parte da nossa viagem. Todas as pessoas que conheci, com quem falei e com quem estive, fazem parte desta aventura, fazem agora parte de mim e das minhas experiências e de quem eu sou.
Não há palavras para descrever esta experiência, a não ser: quero mais!
Só vos posso dizer, dá um medo do caraças, mas quando voltas a casa sentes que és a maior pessoa deste mundo e do outro porque enfrentaste tudo, sozinho, sobreviveste... e foste mega feliz. 

RitaMonteiro

Ter | 10.12.19

Fome... a melhor cozinheira

RitaMonteiro

78663715_3087061511308278_4451434114234449920_n.jp

05 de Dezembro de 2019, Cardiff, País de Gales 

Sobre o jantar de hoje num hostel em Cardiff eu poderia dizer muita coisa... mas digo apenas, e quem me conhece bem irá perceber, que há muitas maneiras de crescer. Sair do ninho é uma delas; ter de procurar comida e passar fome também.
Obviamente por aqui não se come mal, estou em Cardiff não estou no Sahara. Mas já estive no Sahara! E se há viagem que mais me lembro de passar fome de verdade, foi mesmo a viagem de Marrocos porque eu não gostava de comida nenhuma lá, nem tinha tempo para comer, nem queria gastar dinheiro em coisas que não gostava.
Agora lembro-me, e estou a sorrir ao recordar, que a minha mãe sempre disse “a fome é a melhor cozinheira”, e claro que nós só entendemos este tipo de frases que as mães dizem quando crescemos.
Ainda ontem eu estava a dizer “Opah detesto milho!” “Passas? Nem vê-las, detesto.”
Entretanto, na minha primeira aventura sozinha pela mundo, num hostel em Cardiff, numa espécie de jantar improvisado com o que havia, depois de caminhadas na montanha, risos, pessoas, conversas, ovelhas, cascatas, trilhos, boleias, autocarros, supermercados e compras... epah, este jantar soube-me melhor que marisco.
Se a minha mãe estivesse aqui já estava a dizer “em casa não comes tu disso, tiras tudo para o lado.”
Mas mãe, e não é que eu comi mesmo o milho todo? E gostei!

RitaMonteiro

Ter | 10.12.19

Veronika Decide Morrer, Paulo Coelho

RitaMonteiro

DSC_8802.jpg

O meu gosto pela leitura não surgiu tão cedo quanto eu gostaria... na verdade, eu só comecei a gostar de ler quando tinha 13/14 anos, com este livro de Paulo Coelho. 

A história começa com uma jovem que se tenta suicidar com comprimidos, mas não chega a morrer. É levada para o hospital, são-lhe dados os devidos tratamentos, mas o médico diz-lhe que ela ficará com sequelas para toda a vida e que não sabe quanto tempo de vida tem, se um dia, uma semana, um mês, um ano ou mais... Esta jovem é levada para um hospital psiquiátrico onde se apaixona por um rapaz que sofre de esquizofrenia, e como não sabe quanto tempo de vida tem começa a viver cada dia como se fosse o último; fazendo coisas que lhe dão prazer e acima fazendo coisas que todos nós "deixamos para amanhã". É aqui que, na minha opinião, reside todo o interesse deste livro, no fazer as coisas que queremos, no não deixar para amanhã... todos nós estamos tão certos que amanhã teremos tempo para fazer as coisas que esquecemo-nos que não é certo se estamos cá amanhã. Este livro ensinou-me sobre viver um dia de cada vez, ser feliz todos os dias, fazer o que queremos e o que nos faz bem, no agora, no hoje. 

O resto do livro não vos posso contar porque perde a piada  mas aconselho muito que o leiam.

Foi este livro que cultivou em mim o amor pela leitura, e ainda hoje tudo o que esteja relacionado com psicologia é dos meus temas preferidos para ler. 

Boas leituras 

RitaMonteiro 

Ter | 10.12.19

Viajar não é um mar de rosas

RitaMonteiro

80054258_3100826836598412_387441861536514048_n.jpg

Viajar não é um mar de rosas, mas é um mar de nuvens e experiências.

Viajar não é um mar de rosas.
Viajar não são apenas as fotografias bonitas que se publicam nas redes sociais.
Viajar também é stress, casas de banho de aeroporto com filas, ouvidos a estalar na descolagem do avião, viajar em low cost para poupar uns trocos e ficarmos possessos com a qualidade do serviço, ser assaltado no estrangeiro, perder os documentos num país que não é o nosso, é perdermo-nos pelo menos uma vez, dormir em camas por onde já passou tanto corpo, dividir quartos em hostel, guardar as coisas a cadeado, acordar pior do que nos deitámos e com a sensação que não descansámos nada.
Viajar também é contar trocos, passar fome quando não se gosta das comidas ou quando não nos fazemos entender num país de línguas manhosas, passar frio se o quarto do hotel/hostel não está aquecido, é aprender o que é uma cozinha partilhada num hostel, cozinhar ao lado de uma pessoa que mora do outro lado do mundo a fazer comidas tão diversas que nós nunca vimos, a ficarmos enjoados com os cheiros, espantados com as diferentes culturas, impressionados com as diferenças que há por esse mundo fora.
Viajar é estar em filas, seja nos museus, nos aeroportos ou nas estações de metro/comboio e estarmos sempre em dúvida se estamos na fila correcta.
Viajar é ouvir a nossa língua num país que não é o nosso e começarmos logo a falar com os nossos conterrâneos. Viajar é encontrar conhecidos do outro lado do globo e perceber que o mundo é, realmente, tão grande e tão pequeno ao mesmo tempo.
Viajar é olheiras. Oh sim, viajar é olheiras! olheiras de quem só dorme o que pode, onde pode e como pode. Olheiras de quem quer visitar tudo e ver tudo e não deixar nada por fazer, sempre em pouco tempo. Olheiras de quem está cansado mas não consegue adormecer com a mesma rapidez que adormece na sua cama. Olheiras de quem fica horas no hostel a conversar com pessoas de todos os cantos do mundo. Viajar é olheiras! Viajar é cansativo! Viajar é andar com uma mochila pesada às costas para todo o lado, e gostar de o fazer. Ter os costados a doer com o peso mas não querer largar a mochila nem por nada. Porque todo o mochileiro sabe que quando nos tiram a mochila, parece que levam um pouco de nós, porque carregamos na mochila tudo o que nos é tão necessário. Viajar de mochila às costas é levar apenas o necessário. É carregar aquilo que vamos precisar, todos os dias, para todo o lado. É deixar em casa as futilidades do dia a dia que nos parecem tão úteis e afinal são tão dispensáveis. É sobreviver 3 dias, 5 dias, 10 dias ou um mês com uma mala sempre do mesmo tamanho. Portanto já podem imaginar que viajar também é lavar roupa à mão no hotel/hostel.
Viajar também é não conseguir dormir de noite com dores nas costas porque a cama do hostel não vale nada, e mais uma vez: as olheiras no dia seguinte.
Mas todas estas coisas não são tão desagradáveis assim, porque viajar dá muito mais do que tira, porque “Viajar é cultura na prática”. Porque aprendemos a não ser esquisitos, apreendemos a não ser fúteis, aprendemos a lei do desenrasca e a lei do sobrevive, e a sensação é tão boa quando nos safamos bem e felizes.
É tão fácil ser feliz apenas com uma mochila às costas por mais que ela pese (eu sei... mas quem olha para as minhas olheiras assim nunca diria).
Viajar é felicidade não só de alcançar o destino, mas de todas as aventuras que vivemos pelo caminho e das pessoas que conhecemos.


“Façam o favor de ser felizes”, façam o favor de viajar ! ❤️

RitaMonteiro

 

para verem fotografias da minha última viagem (9 dias pelo Reino Unido) podem aceder ao meu instagram: https://www.instagram.com/ritamonteiro94/

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.