Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Talvez Outro Dia

Talvez Outro Dia

Qua | 09.10.19

Na nossa era...

RitaMonteiro

era-digital-1024x720.jpg

Vivemos na era digital (podia ser “diz-e-tal”).
Vivemos na era de dizer tudo à frente de um ecrã e não dizer nada na cara das pessoas. Vivemos na era de falar com máquinas e não com pessoas. Vivemos na era de comentar tudo, publicar tudo. Só não dizemos a verdade, a verdade é que não.
Vivemos da era de publicar e desmentir de seguida, de agradar através de uma foto bonita, de publicar o que queremos que as pessoas vejam. Exceto a verdade. A verdade poucos publicam.
Vivemos na era de mostrar, e não de sentir verdadeiramente alguma coisa.
Vivemos na era de enviar uma fotografia a chorar para um amigo , mas não lhe abrir a porra da porta para conversar e desabafar os problemas.
Vivemos na era do talvez seja, talvez goste, talvez vá.
Vivemos na era do digital, do imaginário, da nuvem onde se guarda tudo, exceto a decência e o respeito.
Vivemos na era de oferecer iPhones para compensar a falta de presença, vivemos na era de publicar uma foto a dois para o mundo ver que está tudo bem, ainda que não esteja. Hoje em dia sabemos exatamente quando uma relação termina ainda antes dos próprios interessados o saberem, porque deixa de haver comentários, deixa de haver fotos, deixa de haver likes. Sabemos exatamente quem arrasta a asa a quem, porque comenta tudo, porque da like em tudo, porque é o primeiro a ver e a gostar, mesmo que não goste. Pelo menos achamos nós que podemos tirar a pinta às pessoas dessa forma, e o triste é que às vezes é tão óbvio que até podemos.
A verdade é que não vivemos na era de sentir, mas sim de mostrar e de comentar, de discutir apenas atrás do ecrã, de fazer a corte usando um teclado e uns emojis porreiros.
Vivemos na era do imaginário, do aparente e das aparências. Na era das mentiras e dos amores e desamores tão rápidos como a velocidade da internet.
Vivemos na era digital.
E alturas houve em que fui tola e achei que nada disto era assim tão mau. Hoje eu não tenho esperança de ver alguma luz ao fundo do túnel. Fundiu-se a luz e os valores.
Vivemos na era digital e contra mim falo.

 

RitaMonteiro

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.